exportação-carga-appa-1200x758.jpg

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) ampliou em 36% a área para movimentação de cargas de alto valor agregado na faixa portuária primária do Porto de Paranaguá. Produtos como veículos, ônibus, máquinas agrícolas e pás eólicas terão mais espaço no terminal.

Ao todo, 30 mil metros quadrados de novos pátios estão em operação desde o início do ano para o armazenamento de cargas especiais. Nestas áreas estavam localizados antigos armazéns ociosos, utilizados até as décadas de 1970 e 1980 para armazenar cargas de café, mate e madeira.

Com o novo layout, apenas na semana passada, mil veículos da marca Renault puderam ser armazenados para a exportação nas áreas destinadas à movimentação de cargas especiais. Nesta remessa, a montadora exportou por Paranaguá 3,5 mil unidades com destino à Argentina.

O pátio interno de veículos da Appa tem capacidade para armazenar 2,5 mil automóveis, sendo que as novas áreas abriram vagas para a exportação de mais mil carros.

“Temos que nos atualizar de acordo com as novas necessidades dos clientes já que não se exporta mais carga geral – como o café, mate e madeira – no formato de cargas fracionadas (break bulk). Estas cargas agora são exportadas por contêiner”, declarou o diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.

Ele explica que existe uma demanda crescente por este tipo de carga. “Em 2016, a movimentação de cargas gerais representou 20% da atividade total do Porto de Paranaguá, com 8,8 milhões de toneladas importadas e exportadas. Era uma necessidade operacional”, completa Dividino.

CREDIBILIDADE – O aumento da demanda na movimentação de produtos com alto valor agregado pelo Porto de Paranaguá se deve à experiência do Porto na operação deste tipo de carga, reconhecido por operações de boa qualidade e com baixos índices de avarias. Além disso, Paranaguá cumpre todos os quesitos do fabricante como, por exemplo, a colocação de rampas especiais para o embarque dos automóveis.

Essas características têm atraído novos clientes a Paranaguá. É o caso de duas fabricantes alemãs de veículos que estão operando suas cargas pelo porto paranaense: Audi e BMW.

Na última semana, a Audi desembarcou 197 veículos dos modelos R8, Q7, TT, A3, A4 e A6 no terminal paranaense. Os modelos foram importados para serem comercializados no mercado brasileiro.

Já a BMW iniciou em 2016 a operação de exportação do modelo X1 para os Estados Unidos pelo Porto de Paranaguá. Ao todo, 10 mil unidades produzidas na planta de Araquari, em Santa Catarina, e transportadas por cegonheiras até o Porto de Paranaguá, que fica cerca de 200 quilômetros de distância da fábrica, serão exportadas.

“Paranaguá tem uma experiência incomparável na movimentação de veículos e é isso que os fabricantes de automóveis vêm buscar aqui”, afirma o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

HISTÓRICO – O Porto de Paranaguá é o segundo que mais exporta automóveis em todo o Brasil e por isso é uma referência na movimentação deste tipo de carga.

Em 2015, foram movimentados 85 mil veículos por Paranaguá. Já no ano de 2016, houve um aumento na movimentação de automóveis de 29%, chegando a 110 mil veículos operados no período.

Fonte: APPA

A D-Log atua a mais de 20 anos com transporte internacional, exportação e importação. Somos um operador multimodaloperador logístico, agente de carga nacional e agente de carga internacional com o expertise na área de Transporte Aéreo, Rodoviário, Marítimo e Desembaraço Aduaneiro. Atuamos em São Paulo, Rio Grande do Sul, Santos e em todo o Brasil, além de diversos países em todos os continentes.

Porto-de-Paranaguá.jpg

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) recebeu do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) a licença de instalação para a dragagem de aprofundamento dos canais de navegação, acesso e berços do porto. A última dragagem de aprofundamento realizada no Porto de Paranaguá foi há 20 anos, em 1997.

O documento autoriza o início da obra que irá aumentar a profundidade do calado do Porto de Paranaguá em até 16 metros. A dragagem ocorrerá em três áreas que permitem o acesso de navios numa extensão de, aproximadamente, 45 quilômetros. Ao todo, serão dragados 14,2 milhões de metros cúbicos de areia, quantidade suficiente para encher 15 estádios de futebol como o Maracanã. Todo o processo de obtenção do licenciamento foi conduzido pela Appa.

O secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, conta que o Porto receberá investimentos do Governo Federal no valor de R$394 milhões para realização da dragagem de aprofundamento.

“É o primeiro investimento feito pelo Governo Federal em 22 anos nos Portos do Paraná e isso só foi possível pelo atendimento de 17 condicionantes e execução de 21 programas ambientais pelo Porto de Paranaguá”, declarou Richa Filho. Entre as condicionantes estão a exigência de programas que já estão em andamento como a gestão ambiental das atividades da dragagem, comunicação social, monitoramento da biota aquática, da qualidade das águas, arqueologia submarina e compensação da atividade pesqueira, por exemplo.

A licença de Instalação do IBAMA é válida por 24 meses, no entanto, a execução da obra deverá ser concluída em onze meses.

PRODUTIVIDADE – A dragagem trará ganhos de produtividade ao Porto de Paranaguá. Após a conclusão da obra, o terminal será capaz de receber mais 10 mil toneladas de carga por navio. Isso significa um acréscimo aproximado de 315 mil toneladas por mês na movimentação de mercadorias, sem necessidade de aumento do cais existente.

Atualmente, Paranaguá recebe 30 navios por dia de, no máximo, 12,60 metros de calado. Com o aumento da profundidade, o canal externo passará dos atuais 15 metros para 16 metros. Já o canal interno saltará dos 14 metros para 15 metros.

A bacia de evolução do canal – área utilizada pelos navios para manobra e atracação – ganhará mais dois metros de profundidade com a nova dragagem, passando de 12 para 14 metros. Já as áreas intermediárias, localizadas entre o Canal da Galheta e a bacia de evolução, passarão a ter entre 14 e 15 metros de profundidade.

“Trabalhamos nos últimos anos para que os portos estivessem aptos para receber esta licença, que alçará nossos portos, como rota obrigatória dos grandes navios no eixo sul do atlântico, consolidando os portos paranaenses como portos concentradores de cargas”, afirma o diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.

Segundo ele, o ponto mais importante desta obra será a contribuição para os ganhos de escala, aumento da produtividade, redução dos fretes e elevação dos níveis de competitividade da carga exportada, reduzindo o custo para os produtores e comerciantes paranaenses. Quando concluída, permitirá que graneleiros do tipo Panamax – navios com capacidade de até 80 mil toneladas – frequentem o Porto regularmente.

HISTÓRICO – Nos últimos anos, a Appa realizou quatro campanhas de dragagem de manutenção, que mantiveram as profundidades dos canais e berços dos Portos do Paraná, sendo o único porto brasileiro 100% dragado.

Os próximos passos incluem a expedição da ordem de serviço para início das obras, já contratadas pelo Governo Federal.

Fonte: ASSCOM APPA

 

A D-Log atua a mais de 20 anos atuando com exportação e importação. Somos um operador logístico multimodal com o expertise na área de Transporte Aéreo, Rodoviário, Marítimo e Desembaraço Aduaneiro. Atuamos em São Paulo, Rio Grande do Sul, Santos e em todo o Brasil, além de diversos países em todos os continentes.


Paranaguá1-capa.jpg

Todas as balanças são automáticas, atendem as exigências da autoridade aduaneira e estão interligadas com sistema Appa web

Um novo portão de acesso à faixa portuária do Porto de Paranaguá foi ativado recentemente. A obra integra um conjunto de três portões, construídos pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), que dobrarão a capacidade diária de recebimento de caminhões.

Ao todo, são investidos R$ 5,3 milhões nas três obras – R$ 2,49 milhões no portão que acaba de entrar em operação. O novo portão de acesso ao cais fica localizado em frente ao berço de atracação 212 e possui 1.115 metros quadrados de área construída em dois pavimentos. O local conta com escritórios e quatro novas balanças para pesagem de veículos de 30 metros de comprimento cada.

Todas as balanças são automáticas, atendem as exigências da autoridade aduaneira e estão interligadas com sistema Appa web, um software que controla o volume de carga e o carregamento no Porto de Paranaguá.

O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, explica que as obras são fundamentais, considerando a crescente movimentação de cargas e a estrutura do Porto de Paranaguá em relação à quantidade de acessos rodoviários existentes na faixa primária. “Foi necessária a ampliação das portarias e balanças para suportar o aumento do volume de cargas movimentadas e o tamanho dos caminhões em operação”, diz.

O cais público do Porto de Paranaguá recebe, em média, 1.000 veículos todos os dias para diversas operações, entre elas, o transporte de carga geral, carga de projeto, granéis, contêineres e outros. No entanto, para atender a descarga do Corredor de Exportação, passam pelo Pátio de Triagem de Caminhões cerca de 2,5 mil caminhões diariamente.

Além desta obra, já foi entregue um novo acesso, localizado em frente ao berço 204, com o mesmo padrão de tecnologia. O terceiro acesso, em construção, está localizado em frente ao berço 208 e deverá ser entregue em fevereiro de 2017.

Antes, o Porto de Paranaguá possuía apenas seis balanças rodoviárias de acesso ao cais comercial. Com as novas edificações construídas, as portarias de acesso ao cais passam a ter 12 balanças rodoviárias, com capacidade de receber os maiores caminhões que compõem a frota nacional – o rodotrem e bitrem.


D-LOG BRASIL

Rua Nova Jerusalém, 78 - Tatuapé
03410-000 - São Paulo-SP
comercial@dlogbr.com
+55 11 3634-2300

FACEBOOK