porto-paranagua-1200x800.jpg

Todos os dias, em média, mais de quatro mil pessoas chegam para trabalhar no Porto de Paranaguá. São funcionários da empresa pública, servidores das empresas operadoras portuárias, motoristas, prestadores de serviços e trabalhadores portuários avulsos, os chamados TPAs.

Dados do Ministério do Trabalho estimam que a atividade portuária seja responsável por cerca de 9 mil empregos, somente no setor de armazenamento e transporte. O número é equivalente a 20% de todos os postos de trabalho registrados no município e o impacto na economia chega a R$ 33 milhões mensais, em salários.

“São R$ 403 milhões por ano, que estes trabalhadores recebem e movimentam a economia da cidade, impulsionando o setor de comércio e serviços, em um ciclo virtuoso de desenvolvimento. Além disso, as empresas que atuam no Porto de Paranaguá movimentam aproximadamente R$ 21 milhões por ano em imposto referente aos serviços realizados, o ISS”, destaca o presidente dos Portos do Paraná Luiz Fernando Garcia.

TRABALHADORES AVULSOS – A categoria que reúne o maior número de trabalhadores são os TPAs. Segundo o Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalhador Portuário Avulso do Porto Organizado de Paranaguá (OGMO), são 2.387 trabalhadores ativos. Todos os dias, 880 deles são escalados para operações no cais.

De acordo com o OGMO, seis atividades são classificadas para atuação dos TPAs e incluem os estivadores, arrumadores, trabalhadores do bloco, conferentes de carga, consertadores e vigias de embarcações.

Segundo o diretor de Operações dos Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, ter mão-de-obra qualificada é um dos principais diferenciais do Porto de Paranaguá, já que os serviços tem impacto direto na eficiência das movimentações.

“Os trabalhadores avulsos aqui são muito preparados, o que nos garante um baixíssimo índice de avaria nos produtos movimentados. São eles que se preparam e manuseiam todos os equipamentos e mercadorias e nossos usuários estão sempre muito satisfeitos”, garante.

ESCALA – A diretora executiva do OGMO Paranaguá, Shana Carolina Bertol, explica que os TPA’s são treinados e qualificados, através de cursos regulares. Os trabalhadores são contratados para um período de seis horas, conforme requisição feita pelo operador portuário ao OGMO, que escala os trabalhadores, através de uma escala eletrônica, obedecendo os critérios de qualificação profissional.

“A inovação tecnológica e a automatização nas operações portuárias fazem com os trabalhadores mudem seu perfil, no intuito de acompanhar as constantes mudanças no trabalho portuário. Em Paranaguá, gradativamente os trabalhadores tem se conscientizado dessas mudanças e se inserido nesse novo contexto de trabalho portuário”, destaca a diretora.

ESTIVA – Os estivadores, que movimentam as cargas dentro dos navios, são a categoria mais antiga dos trabalhadores portuários. A atividade existe desde 1903, antes mesmo do Porto de Paranaguá ser inaugurado. Hoje, são 1093 estivadores na ativa em Paranaguá.

“Antigamente, o trabalho passava de pai para filho, por indicação. Eu, por exemplo, sou a terceira geração da minha família na estiva. Meu avô foi um sócio fundador do sindicato, quando foi fundado em 1903 e os trabalhos eram executado no atracadouro da Rua da Praia, no Guinchinho”, conta Everson Fernando Leite de Faria, secretário do Sindicato dos Estivadores de Paranaguá (Sindestiva).

Com o passar do tempo, o ingresso na profissão mudou. Desde de 1991, o ingresso é feito por concurso e os trabalhadores precisaram adequar os conhecimentos ao processo de automação e o uso de mais equipamentos nas operações.

Neste Dia do Trabalhador (01/05), a categoria comemora, principalmente, o crescimento na quantidade de trabalho. “Quando o porto cresce é bom para todos os trabalhadores, nos traz mais serviço e satisfação. Somos todos parte de uma engrenagem”, conclui.

ARRUMADORES – A segunda categoria mais numerosa entre os TPAs é a dos arrumadores, que preparam as cargas em terra, para o transporte nos vagões, caminhões, armazéns. Segundo o OGMO, são 684 trabalhadores ativos.

Eliel Teodoro dos Santos, secretário do Sindicato dos Arrumadores, explica que a função exige prática e conhecimento. “A carga não pode ser transportada de qualquer jeito para evitar problemas, acidentes ou avarias. Outro motivo é a otimização do espaço e do peso, para que a carga seja bem transportada”, conta.

Segundo Oziel Serafim Felisbino, presidente do Sindicato, além de comemorar o Dia do Trabalhador, em maio a categoria comemora o centenário da profissão. “Em 1919 a profissão foi criada e desde então temos muito a comemorar. Temos nos qualificado muito e hoje Paranaguá é referência em treinamentos para portos de todo o Brasil”, conclui.

OUTRAS CATEGORIAS – Paranaguá conta ainda com 389 trabalhadores do Bloco, 84 conferentes, 76 vigias e 43 consertadores. Em Antonina, segundo o OGMO da cidade, são 382 TPAs na ativa; 160 arrumadores e 122 estivadores.

Confira a definição de cada uma das outras categorias de TPAs, segundo o Dicionário Básico Portuário, dos Portos do Paraná:

Bloco – Trabalhador responsável pela limpeza e conservação de embarcações mercantes e de seus tanques, incluindo batimento de ferrugem, pintura, reparos de pequena monta e serviços correlatos;
Conferente – Profissional responsável pela verificação de uma conta, de mercadorias, dinheiro e outros valores no navio;
Vigia – Trabalhador pago pela agência marítima (que é representante do armador) para vigiar o navio. A vigia é feita no interior do navio e na escada que dá acesso;
Consertador – Profissional responsável pelo conserto de carga avariada dentro ou fora do navio.

Fonte: APPA


AGENTE DE CARGA INTERNACIONALAGENTE INTERNACIONALOPERADOR LOGÍSTICO DE CARGA
OPERADOR MULTIMODALTRANSPORTE DE CARGA AÉREAOPERADOR LOGÍSTICO NO BRASILOTM OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL



D-LOG BRASIL

Rua Nova Jerusalém, 78 - Tatuapé
03410-000 - São Paulo-SP
comercial@dlogbr.com
+55 11 3634-2300

FACEBOOK